MARCELINO PAN Y VINO – vá

Comida ótima despretensiosa, cardápio enxuto, lugar charmoso. Outro dia fui no almoço tinha um ragu de carne de porco com onion rings bem caseiro, delícia por 19 reais (dia de semana). Voltei em outra oportunidade à noite com amigos e nos damos muito bem. Duas garrafas de vinho e um apanhado de coisinhas pra “picar”: uma caponata incrível -a melhor q já comi, um bolinho de bacalhau maravilhoso e outros quitutes… A conta 50 pilas pra cada um. Tô ajudando a divulgar porque sou generosa. Mas o lugar já está lotando, na terceira vez que tentei ir – domingão na hora do almoço – a espera era de 40 minutos… Um autêntico BBBB – bom, bonito, barato e bom trato no coração da Vila Madalena: R.Girassol, 451

Back Bistrô – entrada triunfal pela porta da frente

Uma grande surpresa… No lugar onde já funcionou o Refeitório Uma, nos fundos da loja de roupas Uma, na Vila Madalena, agora é o Back Bistrô (Rua Girassol, 273). Já fui almoçar três vezes lá e encontrei o lugar meio vazio… Que desperdício! O restôzinho é totalmente BBBB (bom, bonito, barato e bom trato). Um cinco estrelas na escala vale quanto pesa.

O cardápio é enxuto, mas a comida é ótima e muito barata pros padrões paulistanos. Sinta: tambaqui de entrada com molho de redução de garapa – inesquecível – por 39. É entrada mas dá pra dividir em 2. Salada morna de lula superbem servida por 28. O Grande Prato de Frutos do Mar é uma festa de mexilhões, camarões, peixes e quetais por 63 (4 comem)… Só me incomodou um lagostim que parecia um pouco passado… Mas meu primo da Bahia garantiu que tava ok.

Incrível é o namorado com pirão (R$ 59 dá pra 2), de lamber os beiços… O camembert de cabra com mel e macadâmia tira qualquer mortal do regime e o brownie de chocolate branco – nem me fale, por R$ 15. Tem muito mais lá nos fundos da Loja Uma.

Ah… O Back Bistrô é “filhote” do Le French Bazar (http://www.lefrenchbazar.com.br/) – o que já indica ótima procedência. Fui apenas uma vez a esse restaurante no último Restaurant Week e fiquei muito impressionada com duas coisas: a qualidade e o sabor do boeuf bourguignon e o fato de eles não trabalharem com uma única importadora de vinhos… Preciso voltar.

Aizomê: pra entrar 2011 com o pé direito

Entre as minhas promessas para 2011 está assumir de uma vez o blog e colocar um post, pelo menos, uma vez a cada 15 dias. Deixar de compartilhar algumas experiências gastronômicas é um crime. Por exemplo: já ouviu falar do Aizomê? Um restaurante japa de São Paulo, que não é novo, já ganhou muitos prêmios, mas pouca gente conhece (fonte: achômetro).
Imagine uma releitura da cozinha japonesa sem cream cheese! Já valeria a visita… Com todo respeito, eles oferecem uma espécie de gozo ao paladar (credo, rs rs!!)
Na noite em que estive lá com meu marido, sentei em frente ao balcão e fui atendida pelo chef Celso. Do “boa noite” em diante foi um desfile de pratos de uma culinária japonesa diferenciada, sutil, em nada mirabolante e em tudo saborosa. Não pedi o menu degustação, fomos seguindo as sugestões do chef: vieiras, peixes com foie gras e outras maravilhas. Gastamos 180 reais com duas taças de vinho branco, um refrigerante e uma sobremesa. Vale quanto pesa? Vale cada centavo.
Como escrevi usando minha memória remota – traindo o objetivo do blog –, não pude descrever melhor os pratos… Mas promessas de ano novo, cê sabe como são, se não colocamos logo em prática, elas desaparecem tão rapidamente como as luzes dos fogos de artifício. Por isso postei assim mesmo. Um grande 2011, cheio de prazer pra todos!

Aizomê
Al. Fernão Cardim, 39
Jardim Paulista  – São Paulo – SP                                                                            Informações e reservas: 3251-5157

O suco paga o pato

Fui ao General Prime Burger da Oscar Freire no dia 19 de outubro. Paguei por um executivo baby picanha R$28,40. Nada mal, nem tampouco memorável, para um almoço nos Jardins… Mas eis que o suco de tangerina custou quase 1/3 do prato: R$ 8,10 e fez eu imediatamente tirar o General Prime Burger da possibilidade de ser um vale qunato pesa.
Ainda nos Jardins, me senti a maior felizarda em comer um delicioso PF no Farofa Paulista, faz uns dois meses acho: 19,90… Novamente o suco sorrateiramente maculou a pechincha… Se não me engano, 6 reais…
Sinceramente, acho too much… E eu que insisto em diminuir a coca-cola😦

D’Olivino – vale cada gota, oops, cada prato e cada gole

Taí um legítimo vale quanto pesa. Vá, coma, beba de uma carta de vinho menos óbvia do que as que andam pela cidade. Vale mesmo, escrevo mais depois…http://www.dolivinorestaurante.com.br/ E se der compre um litro de azeite na saída.

Le Jazz – nada de improviso, tudo de resultado

Estou sem tempo de atualizar o blog, mas preciso falar, nem que seja rapidamente, desse bistrô. Quer comer bem e pagar baratgo, vá lá. Preço ótimo, ambiente charmosinho e ainda dá pra dividir o prato. Depois “posto” mais detalhes. Mas quero indicar já. http://lejazz.com.br

Alguns pratos experimentados são muito acertados, brie empanado.. Filet au poivre.  O claufutis de framboesa é enorme, bem servido…. O hamburguer que meu marido pediu veio bem passado, sem muito encantamento…. Mas o preço vale, depois eu coloco.

O resultado da mistura de Arrigo Barnabé com falafel tá na Casa de Francisca

A Casa de Francisca se diz um café-teatro. A música é a arte principal, mas a cozinha é uma ótima coadjuvante. O cardápio não é enxuto, é mínimo mesmo, mas tudo é tão gostosinho e leve. Perfeito pra aguardar  pequenos espetáculos de música do mais alto gabarito. Em novembro começa uma temporada, aos domingos, do show “Arrigo Barnabé em Caixa de Ódio – o universo de Lupicínio Rodrigues”. Estou louca pra ir. E quando for,  ficarei vigilante como um compositor ciumento pra não me roubarem de novo mais da metade do pão folha da Piu Piu, com coalhada seca, zattar, tomate e hortelã.